sábado, março 26, 2011

Entrevista: Beth Revis - Across the Universe

Pessoal, tenho aqui a primeira entrevista do Vivendo Entre Páginas!
Para essa honra eu escolhi a Beth Revis, autora de Across the Universe (resenha aqui), principalmente pelo fato de eu ter AMADO o livro, hehe.

Um pouquinho sobre a Beth:

Beth Revis nasceu e cresceu ao pé das Montanhas Apalaches na Carolina do Norte. Apesar de ser a queridinha do professor na escola, muitas vezes ela escrevia pequenas histórias, ao invés de tomar notas durante as aulas. Este hábito continuou na faculdade, só que as histórias se tornaram romances. Seu autor preferido é o C.S. Lewis, que escreveu As Crônicas de Nárnia.
Após se formar na Universidade Estadual da Carolina do Norte, ela decidiu se tornar uma professora, pensando que seria uma bom trabalho até conseguir publicar um livro. Porém, ela descobriu que amava sua profissão, e teve que fazer uma decisão difícil, em qual das duas carreiras deveria se dedicar.
Atualmente, ela mora na zona rural da Carolina do Norte com o marido e seu cachorro.


Agora vamos à entrevista:

Ana: Oi Beth! Primeiro de tudo gostaria de agradecer muito pelo seu tempo e também parabenizá-la pelo seu livro incrível! Eu adorei cada parte dele! Eu gostaria de começar com uma pergunta simples. De onde veio toda a idéia de Across the Universe?

Beth: Eu tive a idéia do final primeiro. Eu tinha uma idéia de uma solução para um mistério. Então eu construí o livro inteiro em torno da solução. Tudo: as personagens, o cenário, tudo- veio da solução do final do livro.


Ana: Quando eu li Across the Universe, o livro me fez pensar sobre o quão importante é tomar suas próprias decisões, sobre sacrifícios e como às vezes as pessoas mentem e guardam segredos para o bem de algo maior, às vezes até mesmo para proteger algo. Eu não tenho certeza se essa era a mensagem que você estava tentando passar. Gostaria de saber, sobre o que você gostaria que seus leitores refletissem?

Beth: Eu não tinha nada em mente, em particular. As pessoas interpretam livros para seus próprios fins. Eu achava que o escritor tinha de dar algum tipo de lição de moral ou algo assim. Mas eu percebi que é o leitor que faz isso, não o escritor. Se o meu livro faz as pessoas pensarem sobre coisas como verdade, honestidade e ignorância, então eu acho isso maravilhoso.

Ana: Em Across the Universe, somos capazes de ler a história de dois pontos de vista. Na de Amy, nós começamos perdidos nesse mundo diferente que é Godspeed, vemos como é confuso para ela. Já na de Elder, por ele viver em Godspeed, é como se fizéssemos parte daquele mundo, e também sentimos como ele fica encantado com a Amy. Eu só posso imaginar o quão difícil é para você criar o mesmo mundo, em pontos de vista diferentes . Como conseguiu?

Beth: Na verdade, foi muito divertido para mim! Eu descubro meu mundo enquanto o escrevo, então eu adorei aprender sobre ele a partir de dois pontos de vista diferentes. Foi uma exploração para mim.

Ana: Agora vamos falar sobre o nosso galã. O ponto de vista de Elder foi escrito incrivelmente bem. Na maioria das vezes em que leio um livro onde temos uma autora e um personagem masculino, ele acaba ficando cheio de características femininas. Eu não percebi isso em Elder, e realmente senti como se fosse um homem contando a história, também na maneira como ele pensava. Você recebeu uma ajuda masculina ao criar Elder? Ele foi baseado em alguém que você conhece?

Beth: Eu usei o meu marido! Basiei um monte de detalhes de Elder nele. Por exemplo, quando o Elder vê Amy pela primeira vez congelada. No meu projeto original, eu tinha três páginas de descrição, onde ele olha para o seu cabelo e sua pele e realmente à admirava. Eu disse ao meu marido sobre isso e perguntei o que ele pensaria. "Ela está nua?", pergunta ele. Eu lhe disse que sim. "Então, eu teria olhado para seus seios." Então eu fiz Elder olhar para os seios de Amy.

Ana: Vamos falar sobre outro personagem intrigante, Eldest, o vilão da história. Ele era um tirano, mas eu simplesmente não podia deixar de me sentir um pouco triste por ele, ele tinha um lado doce. Eu gostaria de saber de onde ele veio.

Beth: Um dos meus filmes favoritos é Serenity, de Joss Whedon. Ouvi um comentário dele, onde disse sobre como ele fez questão de fazer o vilão com suas motivações claras. Que ele era ruim, mas por uma razão, e que era uma razão tão clara que quase se poderia simpatizar com ele. Esse era o meu objetivo com o Eldest. Ele é terrível ... mas suas ações são quase desculpaveis por causa da situação.

Ana: Agora sobre o mapa do Godspeed. Em primeiro lugar gostaria de dizer que o desenho ajudou muito na compreensão da nave, só posso imaginar o quão difícil é descrever um mundo totalmente novo. Foi precisamente o que você imaginou que fosse? Você participou da parte do desenho? De onde surgiu a idéia de criar um mapa inteiro?

Beth: Eu tinha um esboço do navio em um caderno. Eram apenas rabiscos de minhas próprias anotações, realmente. Eu tinha o navio em mente enquanto escrevia. Minha editora pediu as minhas anotações e foi capaz de transformá-lo na beleza que você encontra na capa inversa do livro.


Ana: Considerando que Across the Universe é uma ficção científica, haveria muita pesquisa a fazer. Quanto tempo demorou para concluir essa parte difícil e cansativa?

Beth: Não foi difícil ou cansativo! Eu realmente gosto deste tipo de coisa! Além disso, a coisa boa sobre ficção científica é que eu começo a focar na parte da ficção. Eu tinha que fazer bastante pesquisa para saber porque não tínhamos o que eu precisava para a nave e, em seguida, inventar alguma coisa para fazê-la funcionar. Por exemplo, não temos congelamento criogênico ainda, porque nossas paredes celulares estouram quando congeladas. Então eu tive que inventar alguma gosma azul que corrigisse isso.

Ana: Aqui está uma pergunta bem pequena. Qual é o seu personagem favorito?

Beth: Ah! Não me faça escolher! (* sussurra * Harley * sussurra *)

Ana: Para finalizar, a pergunta mais esperada sobre Across the Universe! Quando é que teremos o proximo livro da série? Mal podemos esperar!

Beth: Eu não sei! Estou trabalhando em edições para ele agora. Quando já tiver a data de A Million Suns, você vai me ouvir gritando sobre isso em cima dos telhados!



De novo, agradeço a Beth pela entrevista, e espero que todos tenham gostado! :)


6 comentários:

Beatriz Gosmin disse...

Adorei a entrevista, a autora me pareceu bem simpática e carismática!

beeijoss,
www.livroseatitudes.blogspot.com

jubs disse...

Que fofaaa anaaaa,
ameiii o seu blog, tipo ta muitooooooo legal mesmo, hahahahahaha

LFS ARTE GALERIA disse...

Olá Ana.

Bela entrevista com a Beth Revis, meus parabéns mesmo por esse trabalho. Gostei muito da entrevista e tenho certeza que muitos iram gostar.

Ana Perez disse...

@Beatriz Gosmin

Brigada!
Ela parece ser bem simpatica sim :) Ainda bem né? Não gosto quando descubro que o/a autor/a de um livro que eu amei é chata. hahaha
Fico muito feliz que tenha gostado da entrevista!
Beijoos

Ana Perez disse...

@LFS ARTE GALERIA

Muitoo obrigada! Que bom que gostou da entrevista :D
Espero sim que muitos tenham gostado, hahaha
obrigada de novo,
beijoos

Ana Perez disse...

@jubs

Ah Ju, sério mesmo qeu você achou?? To tão feliz! Não vo te desapontar! hahaha
beijinhos lindaa

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?
Se sim, então por favor o faça!

Eu amo ler todos os comentários, e visitarei o blog de vocês logo em seguida (caso você tenha um).
Só não vamos sair muuuito do tema, ok? hehe
Seus comentários me deixam muito feliz!
Obrigada!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...